quinta-feira, 24 de abril de 2014

Aumente sua autoestima e alcance todos os seus sonhos

O que faz uma mulher superar todas as dificuldades e alcançar seus objetivos? Amor-próprio. Esse é o ímã que atrai sorte e mil oportunidades de exercitar seus talentos.


Siga os sete passos e eleve sua autoestima!
Foto: Divulgação
A autoestima pode sofrer ataques, mas, se for sólida, conseguimos nos manter em equilíbrio. Apresentamos os sete pilares que sustentam essa força:

1. Família

Autoestima se aprende em casa. Se os pais (ou os adultos que cumprem essa função) nos amam, respeitam e acolhem nosso modo de ser em vez de nos criticar e desejar que sejamos diferentes, a tendência é crescermos com uma autoimagem positiva. Segundo a psicóloga Heloisa Fleury, coordenadora do Departamento de Psicologia do Instituto Sedes Sapientiae, em São Paulo, é possível identificar o legado do amor-próprio na mulher que sabe cuidar bem de si mesma, fazendo escolhas voltadas para o seu bemestar. Na visão da especialista, quando as necessidades básicas da criança – alimento, atenção, carinho, educação voltada para o convívio e a possibilidade de se expressar sem medo – não são atendidas, mais tarde podem surgir ansiedade, depressão, sentimentos de desvalia, dificuldade em manter relações. A autoestima fica destruída. Na vida adulta, dá para superar algumas feridas da infância e reconstruir o amor-próprio, mas isso exige empenho e terapia. “A tendência é que as marcas do passado – e as ideias a respeito de si e do mundo – tornem-se ‘verdades’ para o resto da vida”, diz a psicóloga. De todo modo, com o tempo a família de origem deixa de ser a única referência. Amigos, professores, parceiros podem nos incentivar a reconhecer nosso potencial, reformulando velhas crenças. Questione- as sempre. E, se sente falta de alguma aptidão, por que não tentar aprendê-la? Cuidado com a autocrítica exagerada. Seja mais generosa, habitue-se a conversar consigo mesma. Assim, poderá aceitar- se mais em vez de se recriminar.

2. Autoconhecimento

Só quem se conhece bem consegue construir uma autoestima elevada. Mas, afinal, o que é se conhecer bem? É investigar, com coragem, seus defeitos e, sem modéstia, suas qualidades, tornando-se sua melhor amiga. “A partir daí, resta saber aceitar ou tentar minimizar o que não pode ser mudado”, diz a psicodramatista Adelsa Cunha, presidente da Federação Brasileira de Psicodrama. É o que defende também a coach Regina Silva, da consultoria Gyrasser, em São Paulo. “Sem uma noção clara de nosso potencial e limite, ficamos muito vulneráveis às opiniões negativas. Baqueamos diante de conflitos e situações que nos desqualificam”, explica ela. Quebre essa lógica descobrindo estratégias para potencializar os pontos fortes e neutralizar os fracos. Para mapeá-los, tente este exercício: “Anote os comportamentos que a incomodam, verifique o que os provoca e busque formas de desativá-los”, sugere Regina. Por exemplo, se você se boicota adiando coisas importantes e quer mudar isso, verifique com que se distrai nesse momento e quais desculpas utiliza para os atrasos. Marque um prazo curto para realizar determinada tarefa – seja uma atividade do trabalho ou a visita ao dentista. O que importa é criar situações em que fique evidente se você conseguiu ou não atingir as metas determinadas. A cada pequena conquista, a satisfação cresce e a autopercepção aumenta. Aos poucos ganhará clareza sobre suas motivações íntimas, o que vai ajuda- lá a se libertar de comportamentos desfavoráveis e a adotar outros, mais alinhados com seus sonhos.

3. Inteligência

Autoestima também é uma questão de sentir-se capaz. Você a exercita toda vez que diz: “Eu posso”. Faça mentalmente um inventário das suas boas ideias. Vale aquele relatório do trabalho que foi elogiado pelo chefe, a solução que você deu para um conflito familiar ou a capa nova que bolou para o sofá, pois a inteligência se manifesta nas grandes e nas pequenas coisas que fazemos. Sentir-se autônoma é prodigioso. “Se eu acredito que consigo dar conta, avanço, me aventuro mais e inevitavelmente vou aprender novidades, inclusive sobre mim mesma, reforçando o circuito da confiança”, afirma Adelsa Cunha. A inteligência tem a ver com a capacidade de encontrar saídas para problemas cotidianos. Uma forma de potencializar essa força é observar os efeitos que ela causa ao nosso redor. Acostumadas com os próprios talentos, nem sempre os valorizamos na medida certa. Mas de repente alguém que olha de fora ou que foi beneficiado por uma iniciativa nossa aponta como essa criatividade destravou alguma encrenca do dia a dia ou aliviou as tensões de uma equipe. A inteligência aplicada ao cotidiano é muito produtiva, dá um toque de leveza e otimismo e mantém você com os pés no chão – e isso é importante. Porque quem abusa da autoconfiança pode dar passos maiores do que as pernas ou cair na arrogância. Autoestima é fundamental, mas não pode ser confundida com narcisismo ou egoísmo. Gostar de si combina muito com gostar dos outros, trocar ideias em vez de tentar impor as suas, enfim, usar to dos os dons a favor do bem comum.

4. Beleza

O segredo é aceitar quem você é, cuidar-se com carinho e ter um olhar generoso para seu corpo e sua história. Parece simples, mas para muitas mulheres a aparência é o ponto vulnerável da autoestima. O psicoterapeuta paulista Marco Antonio De Tommaso, que atende as agências de modelo Elite e L’Equipe, perguntou a 140 modelos que notas dariam, de 0 a 10, para seu rosto e corpo. A média foi 7,2 para o rosto e 6,3 para o corpo. “A esmagadora maioria, 92%, faria plástica se pudesse”, conta o psicólogo. Essa insatisfação, segundo ele, resulta de um padrão de beleza imposto por nossa cultura. Tommaso explica que a beleza pode ser definida de três modos: 1. ser bonita, que tem a ver com os traços do biótipo (formato dos olhos, espessura dos lábios, medidas proporcionais etc.), o que depende de genética e sorte; 2. estar bonita, que demanda produção (ginástica, alimentação, roupas, acessórios etc.), e isso exige nosso empenho; 3. sentir-se bonita, que está ligado à autoestima. Esta última é, segundo ele, a mais importante. “Às vezes, achamos uma pessoa linda, mas, conforme conversamos com ela, seu brilho desaparece. O contrário também acontece: aquela mulher que à primeira vista não chama a atenção vai nos cativando e se tornando extremamente atraente quando a conhecemos um pouco mais”, diz Tommaso. O segredo dela? Uma autoestima imbatível. Para conquistar isso, é preciso libertar-se dos padrões e desenvolver sua identidade estética. “Descubra aquilo que a torna única e aprenda a valorizar seus diferenciais”, aconselha o psicólogo.

5. Amigos

Eles confirmam que somos companhias interessantes toda vez que nos chamam para sair. Pelos olhos e comentários dos amigos, lembramos que somos engraçadas, que nosso ombro é valioso... enfim, que somos importantes. Para a psicodramatista Adelsa Cunha, o olhar carinhoso do outro é fundamental para a nossa autoimagem. Quem cultiva essa rede fraterna cria um ambiente propício às trocas afetivas, que fazem florescer o amor-próprio. Sem contar que uma amiga de verdade é um refúgio para as horas de dor, medo, tédio e tudo o que pode abalar nossa fé na vida ou em nós. “A presença solidária dos amigos funciona como um sinal de que merecemos ser amados”, diz Adelsa. Nem sempre nossos confidentes têm respostas para nossos dilemas. “M as o simples fato de oferecerem atenção produz fôlego novo”, afirma a terapeuta Fátima Cardoso, de São Paulo. E essa via é de mão dupla. Pode notar: quando nos sentimos meio desanimadas, basta uma amiga pedir nossa opinião para nos recompormos e nos distanciarmos de nossos problemas. Isso é bom para as duas. Amigos trazem novas perspectivas, enriquecendo nossa visão do mundo. Ficamos mais interessantes por causa deles. Basta lembrar o cinema, as conversas, as risadas, as viagens e até as brigas que temos com eles. Então, pense duas vezes antes de se fechar em casa quando o ego estiver meio ferido. O recolhimento às vezes é necessário, mas não o isolamento. Partilhar as emoções é um modo de digerir o que nos acontece. E nada como bons amigos para nos consolar ou nos fazer rir dos próprios dramas.

6. Amor

O afeto acende a nossa luz e nos oferece uma chance de evoluir. “Nos momentos em que estamos inundados de amor, tudo brilha. Melhoram a pele, o humor e o pique”, descreve a psicóloga Fátima Cardoso. Mas nem todos os relacionamentos cumprem esse papel. Quem nunca ouviu falar de amores demolidores, que só jogam a gente para baixo? Um alerta: a principal característica de toda relação destrutiva é a tentativa de um dos amantes de transformar o outro no que ele quer. “A tenção quando um namorado vive criticando suas iniciativas, seus amigos e seu jeito de ser”, observa Adelsa Cunha. E, se é você que não vê nada de bom no outro, por que permanece ao lado dele? “Se esse romance funciona como alimento ou ameaça, isso depende dos dois envolvidos, pois a relação é complementar”, explica Adelsa. Ficar reclamando dos homens não resolve. A questão é: por que você escolheu esse parceiro e, se já descobriu que ele é uma fria, o que está fazendo aí? Tenha coragem de botar o dedo na ferida, pois a mulher com autoestima baixa costuma se sabotar sem perceber. “Ela se contenta com menos”, afirma a psicodramatista. Quem se acha feia e pouco inteligente, por exemplo, poderá investir em relações complicadas só para provar que com ela nada dá certo. Uma terapia ajuda a desatar essa neura. Para Fátima, os amores construtivos surgem quando reconhecemos o nosso valor e também o do homem escolhido, admitindo as diferenças sem que isso desqualifique ninguém. Ao nos tornarmos boas companhias, aumentamos a chance de ser bem-amadas.

7. Reconhecimento

Não dá para negar: uma lustrada no ego é fermento para a autoestima. “Quando o que fazemos é valorizado pelos outros, isso nos fortalece. Vivemos em comunidade, e entender essa interdependência nos torna mais maduros”, afirma a consultora em relações humanas Teresa Campos Salles, da FranklinCovey Brasil, empresa de desenvolvimento pessoal, em São Paulo. Segundo ela, o reconhecimento promove um ciclo virtuoso. “A gente pensa: ‘Faço benfeito, sou reconhecida. Vou tentar fazer melhor para ser reconhecida novamente’. Só não vale ficar dependente de elogios. Nossas ações devem ser aprovadas, antes de tudo, por nossa consciência.” O reconhecimento que revigora é aquele que nos mantém conectadas ao que é importante também para nós, não só para os outros. “Uma excelente vendedora pode se tornar uma gerente de vendas apenas razoável, pois nesse cargo terá outras responsabilidades e será cobrada por elas. É possível que até ganhe mais, mas vai desviar o foco do que gosta de fazer e acabará desmotivada”, explica Teresa. Casa haja um descompasso entre os seus esforços e os resultados obtidos, analise se você está no lugar certo. E se, mesmo recebendo elogios, seu ânimo cai, redobre a atenção. “Pode ser um indício de que estamos nos desligando de nossa essência”, aponta a consultora. Quando o coração apertar, escute-o. Mude rotas se necessário.Tente libertar-se de ideais de sucesso que não são seus e reconheça os próprios desejos. Admirar-se é tão importante quanto ser admirada.
fonte: http://mdemulher.abril.com.br/



Um comentário:

Banner Arte com Sabor